Motorista Comprometido

Motorista Comprometido
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

Notícias

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Treinamento valoriza Motorista

Cada vez mais exigentes na hora de contratar o motorista para transportar uma determinada carga, transportadoras apostam em treinamento e em um relacionamento mais profissional com a categoria, que passou a ser a principal formadora de opinião.

Daniela Giopato

Quando se fala em 35 anos parece pouco tempo. Mas, para os motoristas de caminhão, pouco mais de três décadas foram suficientes para mudar muitas coisas, principalmente em relação as exigências feitas pelas transportadoras na hora de se contratar um frete. Para atender a nova realidade, o carreteiro teve de adotar comportamento diferente de anos atrás, época em que para conseguir um bom frete bastava ter um caminhão e saber dirigir. A profissão de motorista podia ser resumida em pegar e entregar a carga, enlonar o caminhão e saber fazer nós.

Com o passar do tempo, esta imagem romântica do motorista de caminhão foi perdendo espaço para um outro tipo de profissional, o qual faz cursos, se atualiza, busca informações em feiras especializadas do setor, se preocupa com a aparência e vê o caminhão mais como um negócio do que um veículo de carga. Além disso, o carreteiro se transformou no principal formador de opinião dentro das transportadoras, que, por sua vez, também adotaram um outro comportamento, e se preocupam em treinar e preparar seus motoristas para acompanhar as tendências do setor.

“Há alguns anos o motorista de caminhão chegava na transportadora e carregava sem burocracia nenhuma, e fazia a rota que queria. Mas, os tempos mudaram. E, o alto índice de roubo de cargas impulsionou os embarcadores a traçar um perfil de carreteiro para transportar a carga. Hoje, exigimos um motorista qualificado, com experiência, alfabetizado, com noção básica de informática e que saiba conversar. A aparência tanto do profissional quanto do veículo também são importantes afinal ele lida com o nosso cliente. Aqui na transportadora, por exemplo, é proibido andar de chinelo e bermuda”, afirma Valdomiro Felipe, gerente nacional da Atlas Transportes – empresa com 52 anos de atuação no ramo de transporte. A transportadora oferece aos motoristas de caminhão cursos de atendimento ao cliente quando de coleta, entrega; direção defensiva e gerenciamento de risco.

Para Luiz Carlos Lopes, diretor de operações da Braspress, a mudança comportamental por parte das empresas em relação a contratação de motoristas, ficou mais evidenciada nos últimos 10 anos. “O mercado passou a exigir do transportador uma qualidade mais apurada, despertando nas empresas a necessidade de uma boa contratação, pois ali residia um componente fundamental e um de seus principais diferenciais no serviço prestado. Na Braspress, Rodex e Aeropress – empresas que compõe nosso grupo – mais de 50% do quadro de funcionários é do sexo feminino, pois a competência não tem sexo, pelo menos para nós”, afirma.

A relação entre as partes, segundo Lopes, tornou-se mais aberta. “A grande diferença que marca esta mudança é a comunicação, fazer chegar de forma simples os objetivos, missão, desafios e resultados, integrando o motorista de forma mais abrangente e não simplesmente daquela figura que limitava-se a conduzir o veículo”, diz.

A empresa oferece cursos específicos para os profissionais tais como: direção defensiva, direção econômica, prevenção e gerenciamento de risco. Lopes explica que é importante o motorista saber utilizar os recursos tecnológicos disponíveis nos caminhões atuais, como computadores de bordo, rastreadores, rádios, telefonia celular integrada, coletores de dados entre outros.

Publicado em 18/01/2012 no site: http://www.revistaocarreteiro.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário