Motorista Comprometido

Motorista Comprometido
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

Notícias

domingo, 27 de maio de 2012

Motoristas realizam avaliações de saúde em rodovias de todo o país

Neober Soares tem apenas 33 anos, mas já apresenta sintomas de hipertensão e está com as taxas de gordura no sangue, os chamados triglicerídeos, alteradas. Ele não é o único, dentre os motoristas atendidos pela ação Comandos de Saúde nas Rodovias, a apresentar esses sintomas. De acordo com o levantamento do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), 63% dos profissionais que participaram da iniciativa em 2011 estavam acima do peso e 27%, com pressão alta. Para diagnosticar as alterações de saúde e auxiliar na prevenção de doenças, a PRF e o Sest Senat realizaram mais uma edição do projeto nesta quarta-feira (23), em 24 rodovias do país. Os motoristas tiveram à disposição cerca de 30 testes, que avaliaram o nível auditivo, visual, de glicose, colesterol, sonolência, entre outros. Além disso, receberam orientações de fisioterapeutas e promotores de saúde do Sest Senat sobre a importância da atividade física. No Distrito Federal, a ação ocorreu no Km 018 da BR-070, próximo a Ceilândia. De acordo com o coordenador-geral de Recursos Humanos da PRF, inspetor Adriano Furtado, a iniciativa pretende valorizar os responsáveis pelo progresso do setor. “O país optou por transportar suas riquezas pelas rodovias. Então, precisamos nos voltar para estes caminhoneiros. A partir do perfil traçado aqui, queremos incentivar políticas públicas para reverter este quadro”, destaca, ressaltando a importância da recente regulamentação da profissão de motorista. Como forma de continuar o atendimento prestado, a PRF inicia este ano uma parceria com o Ministério da Saúde. O objetivo é fazer com que os caminhoneiros agendem, no mesmo dia, uma consulta com um especialista na rede pública – caso seja diagnosticado algum problema. O projeto-piloto já está em andamento no Distrito Federal e a ideia é implantá-lo em todo o Brasil. “Queremos padronizá-lo para que esse caminhoneiro possa ser atendido nacionalmente”, explica o chefe da Divisão de Saúde e Assistência Social da PRF, Lejandre Monteiro. Exemplo disso é o caso do caminhoneiro Neober, citado no inicio da reportagem. Há 14 anos na estrada, o morador de Samambaia saiu do posto com uma consulta agendada no Ambulatório de Saúde do Homem, em Brasília. Ele foi orientado a procurar um otorrino, após realizar os testes de acuidade auditiva. “Essa é a primeira vez que eu participo e achei muito bom. É importante a gente ficar sabendo dos nossos problemas. Já sei que preciso fazer exercícios e entrar na dieta”, declara. O sedentarismo e a má-alimentação, bem lembrados pelo motorista, são realmente os principais fatores de risco desses profissionais. Especialista em tratamentos de saúde voltados ao sexo masculino, a médica Maria Aparecida Murr relata que muitos condutores atendidos pela manhã ainda encontravam-se em jejum no momento da consulta. “A maioria deles não tem o hábito de tomar café-da-manhã. Muitos chegaram aqui com um quadro de hipoglicemia. A queda de açúcar no sangue pode colocá-los em risco, causando sonolência e até a perda dos sentidos”, alerta. Um cardápio simples e eficiente, segundo a especialista, seria uma xícara de café com leite, um pão com manteiga e uma fruta. Além da cultura profissional, Aparecida acredita que a rotina itinerante é outro fator prejudicial à saúde dos caminhoneiros. “Os homens não foram preparados para adoecer, por isso a resistência em procurar um médico. Para os caminhoneiros, falta ainda a oportunidade, em função da rotina. Por isso, no ambulatório, trabalhamos em um terceiro turno, fazendo com que ele seja atendido em um horário em que está disponível”, finaliza. Comandos de Saúde Desde 2006, mais de 55 mil motoristas já foram beneficiados pela ação. Com o tema “A Importância da Atividade Física para a Saúde”, esta foi a primeira etapa de 2012. Para este ano já estão previstas outras duas datas, em agosto e novembro. ​ Fonte: Agência CNT de Notícias Publicado em 25/05/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/motoristas-realizam-avaliacoes-de-saude-em-rodovias-de-todo-o-pai

sexta-feira, 25 de maio de 2012

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA EM JOINVILLE

Hoje (dia 25/05/2012) participei do "Seminário Mobilidade Urbana em Joinville", foi um excelente aprendizado com diversos temas e profissionais especialistas na realidade do transporte e mobilidade. Parabenizo aos organizadores do evento os Deputados Mariani e Tebaldi, e o Prof. Acires da UFSC pelo ótimo evento realizado na manhã de hoje em Joinville. Temas: Visão Geral Mobilidade Urbana, Tarifa Transporte Público, Desoneração da Tarifa, Políticas Nacionais de Mobilidade Urbana e Custos dos Diversos Modais. A empresa Gidion apresentou o ônibus urbano com ótimas soluções para acessibilidade. Carroceria produzida pela Busscar de Joinville. Ônibus com DNA de Joinville. Mobilidade Urbana é "Qualidade de Vida" para os cidadãos que vivem nos centros urbanos. Pense nisso! Palestrante José Rovaní Mobilidade Urbana é uma decisão inteligente!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Entrevista na Rádio Cultura AM - JOVEM PAN - Joinville

Em entrevista concedida na manhã de hoje (dia 24/05/2012) na Rádio Cultura AM foram apresentados os principais conteúdos abordados nas palestras para motoristas de ônibus e caminhões que estão sendo realizadas em Joinville e Região. O foco das palestras é desenvolver a excelência nos serviços prestados pelos motoristas profissionais. Com destaque para as palestras: "Motorista Inteligente, Motorista Feliz", "Desenvolvimento de Equipes Vencedoras" e "Construindo o Comprometimento Profissional para os novos tempos". Agradeço o profissionalismo do radialista Jacques Trindade da Rádio Cultura AM - JOVEM PAN de Joinville pela oportunidade em socializar conhecimentos e experiências no trabalho desenvolvido nas empresas do transporte de passageiros e cargas. Abraço e sucesso para Equipe da Cultura AM - Jovem Pan de Joinville, Palestrante José Rovaní

quarta-feira, 23 de maio de 2012

PALESTRAS VIP PARA MOTORISTAS EM JOINVILLE

No dia 23/05/2012 foram realizadas "Palestras VIP para os Motoristas da TRANSTUSA". Socializado conhecimentos e experiências no sentido de gerar excelência nos serviços prestados pelas Equipes de Motoristas no transporte público em Joinville. As Equipes de Motoristas participaram com muita vibração e comprometimento nos temas abordados. Os conteúdos das palestras tiveram o foco no desenvolvimento comportamental, com ênfase no "Desenvolvimento de Equipes Vencedoras". Agradeço o profissionalismo da TRANSTUSA - Transporte e Turismo Santo Antônio - Joinville - SC. Palestrante José Rovani - HighPluss Treinamentos Palestras VIP para Motoristas - Hands On

terça-feira, 22 de maio de 2012

Mobilidade no transporte de passageiros em Joinville

Considero importante a implantação dos corredores para melhorar a mobilidade urbana no transporte de passageiros. Percebe-se, que melhorou o tempo médio de deslocamento dos ônibus entre os terminais. Todos os clientes do transporte urbano ganham com a melhoria da mobilidade. Os clientes do transporte urbano necessitam de agilidade, segurança e conforto nos deslocamentos entre o ponto de origem ao ponto de destino. Os centros urbanos mais evoluidos estão investindo na mobilidade urbana, para que os clientes possam preferir o transporte adequado as suas necessidades. Os corredores exclusivos tendem a melhorar a qualidade de dirigibilidade dos motoristas, permitindo uma maior agilidade nos deslocamentos. Sou favorável que seja criado mais corredores exclusivos para a circulação dos ônibus em Joinville, para que tenhamos um transporte mais ágil e possamos priorizar a grande população joinvillense que utiliza o transporte urbano. Mobilidade urbana é uma decisão inteligente! Pense nisso! Eng. José Rovani

segunda-feira, 21 de maio de 2012

BLITZ INMETRO FISCALIZA TACÓGRAFO (12/05)

Caminhoneiros que passaram ontem pela BR-101, em Barra Velha, tiveram uma surpresa ao cruzarem o posto da Polícia Rodoviária Federal. Os veículos de cargas sólida e comum, com final de placa 0, 1, 2, 3 e 4, foram parados por fiscais do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para uma vistoria dos tacógrafos. Os de carga tóxica foram parados independentemente do número da placa. A ação é a quarta realizada no Estado este ano e a meta é intensificar as atividades nas rodovias estaduais e federais de Santa Catarina. Ontem, mais de 200 veículos foram parados pelos fiscais. Na abordagem, eles pediam a documentação do veículo e o certificado de aferição do tacógrafo. “Como não é um documento obrigatório, a gente entende quem não tem ele em mãos para nos apresentar. Por isso, com a placa do caminhão, a gente verifica se foi feita ou não a aferição nos postos credenciados”, diz o coordenador regional do Inmetro em Joinville, Paulo Renato Vecchietti. Quem não tinha a situação regularizada foi orientado a procurar os postos para adquirir o certificado e ficar em dia com o Inmetro, mas mesmo assim um termo era assinado pelos motoristas. “É um benefício para a empresa, uma segurança aos motoristas e bom também aos policiais que trabalham nessas rodovias. Em casos de acidente, por exemplo, se o tacógrafo estiver com as medições de velocidade, distância e tempo corretas, será possível ver em quantos km/h o veículo estava”, completa Paulo Renato. O tacógrafo é obrigatório em veículos de transporte de cargas, de passageiros e escolar – com mais de dez lugares – e que tenham peso superior a 4,536 toneladas. A fiscalização de ontem foi bem aceita pelos caminhoneiros. “Tem que fiscalizar. Ano passado, cruzei o Brasil e ninguém me parou. Acho que isso deveria ser constante porque é uma segurança para todos”, sugere o motorista Cleber Henrique Freitas da Silva, 38 anos. O caminhoneiro Moisés Fontes, 40 anos, também achou boa a iniciativa. “É ideal esse trabalho. A empresa em que eu trabalho é correta e o resultado certamente será bom para todos”, completa. Fonte: A Notícia - Joinville - SC. Publicado no site http://www.setracajo.com.br/detalhes_noticias.asp?id=2783&n=12/05---blitz-do-inmetro-fiscaliza-tacografo

Motorista de ônibus arrisca vida de passageiros

O trecho da BR-153 entre as cidades de Aliança do Tocantins ao trevo de Formoso do Araguaia, que tem aproxima-damente 80 km de extensão, é considerado perigosíssimo. Mesmo diante há tantos acidentes registrados, os motoristas continuam cometendo manobras proibidas e abuso de velocidade que colocam em risco a própria vida e a de terceiros. Em janeiro deste ano um acidente com um ônibus da empresa Itapemirim deixou 22 pessoas feridas, quando o motorista teria tentado uma manobra para evitar a colisão com outros veículos que passavam em baixa velocidade sobre a ponte do Rio Dueré, que fica entre Gurupi e Aliança do Tocantins. Na mesma BR, só que no trecho entre Paraíso e Barrolândia, um acidente envolvendo um ônibus e uma carreta deixou 47 pessoas feridas e cinco mortos no local do acidente. Neste domingo, um ônibus da Transbrasiliana, mesmo com pouca visibilidade e com um tráfego bastante intenso, o motorista, irresponsavelmente, por pouco não provocou uma outra tragédia ao desconsiderar a sinalização e ultrapassar, de uma só vez em alta velocidade, um carro de passeio e um caminhão na faixa dupla contínua. Fonte: Wesley Silas/Atitude Tocantins Publicado em 20/05/2012 no http://surgiu.com.br/noticia/33249/

PORTARIA 201 DO INMETRO – TACÓGRAFO

Portaria Inmetro nº 201, de 02 de dezembro de 2004. Aprova o Regulamento Técnico Metrológico, o qual estabelece as condições a que devem atender os registradores instantâneos e inalteráveis de velocidade, distância e tempo denominados cronotacógrafos. Esta Portaria que regulamenta a inspeção do Cronotacógrafo será de responsabilidade do INMETRO a sua fiscalização. Conforme informações do INMETRO, a medida em que a exigência de utilização do instrumento é do Denatran, a atividade de fiscalização quanto à utilização do instrumento é de competência daquele Departamento. As ações de fiscalização do Denatran poderão ser apoiadas por exigências do poder público concedente das atividades de transporte, por exemplo: as secretarias municipais e os órgãos estaduais de trânsito que poderão exigir o certificado de verificação para o licenciamento das atividades de transporte em sua área de competência. O Inmetro, por sua vez, passará a exigir a partir de setembro próximo este certificado, por ocasião das inspeções realizadas nos veículos transportadores de cargas perigosas, conforme determinado no novo RTQ5.

sábado, 19 de maio de 2012

Saiba quando o caminhoneiro autônomo pode se aposentar

Depois de anos de trabalho na estrada, se espera pela hora de descansar e receber a aposentadoria. Mas para chegar lá e gozar do benefício, o motorista autônomo deve contribuir para a Previdência Social e cumprir todas as exigências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para quem trabalha por conta própria: inscrição, recolhimento da contribuição pelo período estipulado e idade mínima para se aposentar. “Cumpridos esses requisitos, é só encaminhar o pedido ao INSS”, afirma o vice-presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos do Rio Grande do Sul e Santa Catarina (Fecam), André Luís Costa. Segundo o INSS, para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador homem deve comprovar pelo menos 35 anos de contribuição e a trabalhadora mulher, 30 anos. Para requerer a aposentadoria proporcional, o trabalhador tem que combinar dois requisitos: tempo de contribuição e idade mínima. Os homens, por exemplo, podem requerer aposentadoria proporcional aos 53 anos de idade e 30 anos de contribuição, mais um adicional de 40% sobre o tempo que faltava em 16 de dezembro de 1998 para completar 30 anos de contribuição. Para solicitar aposentadoria integral ou proporcional, é necessário também o cumprimento do período de carência, que corresponde ao número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o segurado assegure o direito ao benefício. Os inscritos a partir de 25 de julho de 1991 devem ter, pelo menos, 180 contribuições mensais. Os filiados antes dessa data têm de seguir uma tabela progressiva que pode ser consultada no INSS. Mas na hora de se aposentar é preciso ficar atento também à incidência do fator previdenciário, que pode reduzir significativamente o valor da aposentadoria nos casos proporcionais. “Para chegar mais próximo do valor integral, é preciso cumprir idade mínima e o tempo de contribuição”, aconselha Costa. Sem aposentadoria especial O vice-presidente da Fecam esclarece que os caminhoneiros autônomos - ou transportador rodoviário autônomo de bens, como define a lei - não têm direito à aposentadoria especial por condições adversas ao trabalho e que comprometam a saúde, como insalubridade e periculosidade. Esse benefício só é garantido aos motoristas contratados por empresas, ou seja, trabalhadores sujeitos às normas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). “O motorista autônomo estabelece um contrato cível de prestação de serviços com seu contratante e não uma relação empregatícia”, esclarece o vice-presidente da Fecam. Por isso, não fica sujeito às leis trabalhistas. No entanto, essa situação pode mudar. Está tramitando no Congresso Nacional um projeto de lei do senador Paulo Paim (PT-RS) que estabelece o Estatuto do Motorista. Pelo texto em discussão, a aposentadoria especial para os motoristas autônomos após 25 anos de contribuição será retomada no Brasil (ela vigorou até o final da década de 1980). A proposta de Paim está sendo discutida pelas entidades para que se chegue a um consenso, já que o texto envolve também outros temas, como jornada de trabalho e piso salarial. “Estamos buscando apoios no Congresso para viabilizar a aposentadoria especial”, diz Costa. Cartola – Agência de Conteúdo Especial para o Terra Publicado no Sinistro de Transporte - LinkedIn

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Números do Trânsito

No Brasil (ONG Criança Segura, 2007; Denatran, 2007) O grande número de acidentes de trânsito no Brasil causa 38 mil mortos por ano e um custo social de R$ 25 bilhões anuais. 140 mil crianças/ano são hospitalizadas, gerando um gasto de R$ 63 milhões ao SUS. O trânsito é responsável por 40% das mortes de crianças com até 14 anos. Entre 2000 e 2007 – 187.600 mil crianças de 0 a 12 anos sofreram acidentes de trânsito, 8.029 morreram. Santa Catarina (Instituto Sangari) 1.847 mortos no trânsito em 2010 19.511 mortos no trânsito entre 2000 e 2010 O estado caiu da 4ª para a 11ª posição no ranking nacional O número de mortes em acidentes aumentou 23,5% de 2000 para 2010 e a taxa passou de 27,9 para 29,6 para cada 100 mil habitantes, um aumento de 5,8%. Joinville Em 2010 foram registradas 118 mortes no trânsito. Publicado no site http://www.conurb.com.br/?p=1126

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Campo Grande-MS recebe etapa da 24ª Gincana do Caminhoneiro

A capital sul-mato-grossense se prepara para sediar, pela quarta vez em 24 anos, uma etapa classificatória da GINCANA DO CAMINHONEIRO, maior evento itinerante das estradas brasileiras, que é promovido pela Revista Caminhoneiro, com patrocínio da MAN Latin America (fabricante dos caminhões e ônibus Volkswagen) e apoio da Cummins (através da unidade de negócios Fleetguard). Estimativas da organização apontam que mais de 600 transportadores rodoviários de carga – autônomos e empregados – passem pelo Posto Caravagio, às margens do km 11,5 da BR 163, para disputar a prova do slalom, o ziguezague entre cones mais famoso das estradas, que dará, ao grande vencedor, um caminhão Volkswagen Constellation zerinho! A disputa Prova amadora voltada aos profissionais do volante que transportam cargas pelas estradas, a GINCANA DO CAMINHONEIRO consiste em percorrer, no menor tempo possível, um trajeto pré-determinado, ziguezagueando entre os cones e sem derrubar nenhum deles. Atingida uma meta pré-estabelecida pela organização para aquela pista, o caminhoneiro parte para uma segunda volta, numa pista com traçado de maior dificuldade. As três melhores pontuações de cada etapa estão automaticamente classificadas para a grande final do evento, dia 25 de novembro, quando 18 caminhoneiros se encontrarão no Posto Pará Vip, em Ananindeua/PA, para disputar, no braço, o prêmio máximo. Quem já chegou lá A 24ª Gincana do Caminhoneiro é dividida em seis etapas, realizadas de abril a novembro de 2012. Em cada uma, classificam os caminhoneiros que obtiverem os três melhores tempos, registrados por uma dupla de cronometristas da Chronosat, empresa homologada pela CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) com a ajuda de uma fotocélula. Na primeira etapa, realizada no mês de abril em Fortaleza/CE, classificaram-se Fernando Sakai, de Bauru/SP; Francisco Danillo Sampaio, de Fortaleza/CE e Wilson Gabardo, de Colombo/PR. Para participar é muito simples! Basta apresentar a CNH categorias C, D ou E e se inscrever gratuitamente no local. Não são aceitas inscrições de “POC” – pilotos oficiais de competição. Muito mais que o slalom Além da disputa, o evento traz uma programação completa para o caminhoneiro. Uma delas é poder participar de test drive exclusivo com caminhões da nova linha VW Advantech, todos com motorização Euro 5, que atendem às novas normas brasileiras de poluentes, o Proconve P7. Palestras sobre o Euro 5 e sobre os custos no dia a dia do transportador de carga também são assuntos abordados pelos engenheiros da Fleetguard (unidade de negócios da Cummins) e por João Roberto Valdívia, convidado especial da MAN Latin America para proferir palestras. Destaque para a participação especial da Polícia Rodoviária Federal e do Sest/Senat no evento, além de lan house, “Espaço Família” e recreação infantil (no domingo). A segunda etapa da 24ª Gincana do Caminhoneiro acontece de 25 a 27 de maio, no Posto Caravagio (Rod. BR-163, km 11,5), em Campo Grande/MS, das 8h às 18h. De acordo com a fila de espera, as inscrições podem ser encerradas antecipadamente. Fonte: Assessoria de Imprensa Publicado em 16/05/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/campo-grande-ms-recebe-etapa-da-24a-gincana-do-caminhoneiro/

Regulamentação deve aumentar contratação de motoristas no país

Empresas buscarão profissionais para atender às exigências sobre o tempo de direção e descanso. A regulamentação da profissão de motorista, sancionada pela presidente Dilma Rousseff no início do mês, deve aumentar a contratação de condutores e contribuir para preencher a demanda de vagas do mercado, que busca mão de obra qualificada. Considerada um avanço pelas empresas de transporte de cargas e de passageiros, a lei valoriza a categoria e pode atrair novos profissionais. De acordo com o presidente da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (Fetranscarga), Eduardo Rebuzzi, a medida traz progresso para a categoria. “Enfrentamos um déficit de profissionais no mercado, justamente pelo desinteresse pela profissão. Atualmente, muitos motoristas se colocam em situação de risco durante a atividade”, destaca. Rebuzzi acredita que novos profissionais podem ser contratados, uma vez que a regulamentação proíbe o trabalho por mais de quatro horas ininterruptas sem o registro de um intervalo mínimo de 30 minutos de descanso. O tempo de direção só poderá ser prolongado por mais uma hora até que o motorista encontre um local seguro e com infraestrutura adequada para repousar. “Quando se estabelece um limite para o excesso de jornada, temos o impacto da redução do tempo de direção de cada profissional. Com o passar do tempo, o próprio cliente, ao contratar um serviço de transporte, saberá das mudanças na forma de atuação das empresas”, diz Rebuzzi à Agência CNT de Notícias. Segundo o dirigente da Fetranscarga, as transportadoras terão que cumprir a lei e duplas de motoristas devem ser contratadas. “Quem tiver uma carga emergencial, precisa ter a consciência de negociar com uma empresa que ofereça dois condutores”, explica. Para Rebuzzi, a criação dessas regras, mais rigorosas, pode despertar o interesse dos jovens pela profissão – a estimativa é que no Rio de Janeiro, por exemplo, faltem aproximadamente oito mil profissionais. Sobre o aumento dos custos, em razão da contratação de novos motoristas, Rebuzzi admite que os valores podem ser repassados aos clientes. “Houve uma mudança de patamar e, para termos a mesma velocidade e o mesmo nível dos serviços, devemos aplicar o custo compatível” afirma. Transporte de passageiros Na área de transporte de passageiros, a regulamentação não deve surtir o mesmo efeito que o registrado no setor de cargas. Segundo o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Minas Gerais (Fetram), Waldemar Araújo, a maioria das empresas já está atenta à questão da jornada de trabalho dos motoristas, que não pode ser excessiva. “A fiscalização da ANTT [Agência Nacional de Transportes Terrestres] é bastante rigorosa em linhas interestaduais. Além da conscientização dos próprios funcionários, as empresas são severas com relação ao cumprimento de itens como pontos de parada, descanso e seleção de dois motoristas, em caso de viagens longas”, explica Araújo. No entanto, ele destaca que a contratação de novos profissionais pode ser necessária no caso de empresas menores, de fretamento ou de turismo. Sest Senatcaminhaosestsenat14052012.jpg Como a regulamentação da profissão traz direitos à categoria, o que pode atrair novos trabalhadores para essa função, o Sest Senat oferece gratuitamente cursos de formação de motoristas em todo o Brasil. O objetivo é atender à demanda das empresas e formar mão de obra qualificada para o transporte de cargas e de passageiros. Além das aulas práticas, o aluno aprende sobre noções de cidadania, mecânica, preservação do meio ambiente e qualidade no atendimento. Entre os requisitos, o candidato deve ter carteira de habilitação nas categorias C, D ou E. Interessados podem procurar uma das unidades do Sest Senat em todos o país. Segundo o presidente da entidade, senador Clésio Andrade, os cursos são uma oportunidade de qualificação para quem deseja ingressar nessa atividade, cuja regulamentação traz garantia de melhores condições de trabalho. "A lei é rigorosa e visa, principalmente, a segurança no trânsito e a saúde dos motoristas", destaca. Fonte: Rosalvo Streit - Agência CNT de Notícias Publicado em 16/05/2012 no site http://www.cnt.org.br/Paginas/Agencia_Noticia.aspx?n=8246

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Valorizando o Motorista

Maiores salários, cursos de aprimoramento profissional e folgas semanais para ficar com família. Esses são apenas alguns dos desejos listados por carreteiros ao serem questionados sobre quais atitudes uma empresa pode tomar para valorizar o quadro de motoristas contratados. “As empresas poderiam melhorar o nosso salário, investir em treinamentos para nos capacitar e nos instruir a respeito das novas tecnologias embarcadas; oferecer assistência médica e odontológica que funcione – e extensiva aos nossos familiares”, afirma João Evaldo, carreteiro de 51 anos de idade e há 24 na profissão. Evaldo diz também ser necessário a aplicação de uma jornada diária de trabalho menos intensa, ou “mais justa e humana”, como ele próprio define, além da inclusão do pagamento de horas extras sempre quando solicitado ao motorista o cumprimento de viagens fora do horário de trabalho acordado. Edson Souza, ex-autônomo e profissional contratado há mais de 15 anos, entende muito bem a insatisfação do colega João. “O salário está muito defasado, por isso o primeiro passo para mudar essa situação é aumentar o piso, depois gostaria que tivéssemos descansos de três ou quatro dias para podermos ficar com nossas famílias”, diz Edson. Segundo o Sindicargas (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários de Cargas Secas e Molhadas, Empresas de Logística no Ramo de Transporte de Cargas de São Paulo e Itapecerica da Serra) o piso salarial de um motorista carreteiro hoje é de R$ 1.262,21. Para Souza, se a situação não mudar, o desinteresse pela profissão tende a aumentar com o passar dos anos. “Vejo por aí muitos amigos que preferem ficar com o caminhão parado a trabalhar”, reforça o carreteiro. Atualmente, o setor de transporte rodoviário de cargas sofre com a falta de 120 mil motoristas no mercado, segundo pesquisa divulgada no ano passado pela NTC & Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística). O desinteresse dos jovens pela profissão e a exigência das empresas por condutores preparados, especializados e qualificados para dominar as tecnologias inclusas nos novos caminhões são os grandes motivos da carência. Conscientes disso, companhias têm praticado ações, programas e encontros para valorizar seus motoristas, oferecendo cursos, planos de carreira e premiações. A Transportadora Americana (TA) é uma delas. De acordo com Márcio Bezerra, gerente de RH da empresa, o investimento em colaboradores é retorno garantido na hora de conquistar as metas estabelecidas. “Acreditamos que uma gestão participativa, contribui para o fortalecimento da relação empresa X colaborador e para um ambiente inovador”, explica Bezerra. De acordo com o executivo, as iniciativas promovidas pela TA visam desenvolvimento profissional do motorista, retenção do funcionário na empresa, prevenção de acidentes nas estradas e incentivo pela frequência no trabalho e por apresentação de bons resultados. “Grande parte de nossos profissionais iniciou suas atividades na empresa em cargos operacionais e hoje participam das decisões estratégicas da transportadora. Nossos motoristas são treinados periodicamente por uma equipe especializada de monitores e instrutores. No mesmo intuito, temos o programa ValeR (Valorização e Reconhecimento) que possibilita ascensão de carreira desde sua admissão”, reforça o gerente. Colaborador da TA há 36 anos, Osvaldo Luís Ghiraldi se diz realizado tanto com o trabalho que desenvolve quanto com as oportunidades que a empresa lhe proporciona. “Comecei como ajudante, em 1976, após três meses passei a motorista de Kombi e fazia entregas na cidade de Americana e Piracicaba. Fui sendo promovido a medida que dirigia outros veículos e, em pouco tempo, cheguei a motorista carreteiro. Tive oportunidade de viajar e conhecer várias cidades, em vários Estados. Hoje sou carreteiro, é o que todos almejam um dia, por isso me sinto realizado”, conta Ghiraldi. Além dos cursos e treinamentos, a TA disponibiliza exames médicos periódicos a funcionários com mais de 40 anos de idade, além de dormitórios para descanso do motorista instalados em todas as filiais do País. São também realizados encontros com as esposas dos motoristas, a fim de orientá-las sobre uma alimentação mais adequada a vida do motorista em casa. A empresa reconhece ainda os melhores profissionais do setor através dos programas Motorista Destaque e Motorista Nota 10, iniciativas que avaliam o colaborador pelos índices de acidentes, tacógrafo, e outros requisitos. A Braspress, companhia de encomendas urgentes, também está no time das que buscam valorizar os motoristas contratados. Segundo Gustavo Brasil, diretor de RH da empresa, assim que entra para o quadro de funcionários, o colaborador passa a ser avaliado e recebe um direcionamento sobre quais funções na transportadora se encaixam melhor ao seu perfil profissional. “Buscamos identificar os requisitos e competências necessários ao desempenho das funções específicas de cada cargo, e assim direcionar a formação dos colaboradores”, diz. Esse processo de encaminhamento ocorre de duas maneiras, a primeira definida como “espontânea”, usada quando o próprio colaborador tem a iniciativa de um autodesenvolvimento, já a segunda chamada de “forçado”, quando a empresa identifica um alto potencial no funcionário e passa a investir em sua preparação para novas posições e responsabilidades, acrescenta Brasil. Paulo Nonato, motorista da transportadora desde 2005, reforça a fala do diretor de RH. “Quem tem vontade em aprender e subir no trabalho deve sempre demonstrar interesse. A empresa dá oportunidades, mas é preciso ter iniciativa” diz. Ele começou como ajudante de tráfego e, em outubro de 2011, foi promovido para motorista rodoviário. Para a ex-manicure Maria das Graças Mendonça e motorista da Braspress há pouco mais de três anos, além de uma dar oportunidade para novos motoristas a empresa oferece estabilidade profissional. “Na minha antiga função não era registrada e nem recebia benefícios, aqui tenho registro, vale refeição e vale transporte, sem contar que trabalho na profissão que sempre sonhei em seguir”, diz Maria. Dentre as ações destinadas aos motoristas, a Braspress promove um programa de reciclagem para tratar questões ligadas à condução do veículo, qualidade de vida, segurança no trânsito, meio ambiente, relacionamento interpessoal, apresentação pessoal e prevenção ao roubo de cargas, entre outros assuntos. Exames médicos periódicos, kits para uma alimentação balanceada e adequada a condição de trabalho, e troca da frota de caminhões a cada 2,5 anos também fazem parte das iniciativas da empresa. “Na medida em que oferecemos equipamentos novos aos nossos motoristas aumentamos o conforto no horário de trabalho e a segurança nas estradas” conclui Gustavo Brasil A TNT Express também disponibiliza meios para atualizar o motorista profissional. “Há falta de motoristas no mercado, por isso procuramos formar, treinar e reter os talentos na empresa”, diz Luiz Fernando Simabukulo, gerente de marketing e customer service da companhia. Conforme diz, a capacitação profissional é uma das principais diretrizes que se pode adotar para valorizar o quadro de funcionários da transportadora. A empresa oferece aos seus funcionários a revista Direção Certa, publicação com conteúdo exclusivo dedicado a motoristas de caminhão. A Júlio Simões Logística (JSL), por sua vez, diz incentivar os motoristas da a trocarem a categoria da CNH. Com auxílio nos custos desembolsados durante o processo. O objetivo da iniciativa é contribuir para a evolução da carreira dos profissionais na medida em que são preparados para conduzir veículos maiores e mais pesados. Outros pontos destacados pela empresa são o oferecimento das vagas que surgem primeiramente aos profissionais da casa antes de serem divulgadas ao mercado; o Programa de Valorização da Família, que apóia a indicação de familiares para trabalhar na empresa, e campanhas de alerta direcionadas aos motoristas sobre cuidados pessoais, de saúde e alimentação. Incentivos como premiações por cumprimento de prazos de entrega e redução do consumo de combustível, além do programa de participação nos resultados (PLR) também estão na lista de benefícios da JSL. Fonte: Revista Caminhoneiro Publicado em 14/05/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/valorizando-o-motorista/

sábado, 12 de maio de 2012

Paim destaca lei para motorista profissional

Paulo Paim (PT-RS) comemorou na sexta-feira a sanção pela presidente Dilma Rousseff, em 1º de maio, da lei que regulamenta a profissão de motorista. O senador disse que há mais de 40 anos a categoria esperava pela regulamentação da atividade. Paim explicou que a Lei 12.619/12 teve origem em proposta do então deputado Tarcísio Zimmermann e foi aprimorada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH). Entre os direitos concedidos aos motoristas, especialmente os de caminhão, estão jornada de trabalho de 12 horas, com 36 horas de descanso; tempo de direção controlado por diário de bordo e meios eletrônicos; e seguro obrigatório custeado pelo empregador para cobrir acidentes. Fonte: Jornal do Senado Publicado em 11/05/2012 no site http://www12.senado.gov.br/noticias/jornal/edicoes/2012/05/14/paim-destaca-lei-para-motorista-profissional

quinta-feira, 10 de maio de 2012

PALESTRA VIP PARA MOTORISTAS DA TRANSTUSA

No dia 08/05/2012 foram realizadas "Palestras VIP para os Motoristas da TRANSTUSA". Socializado conhecimentos e experiências no sentido de gerar excelência nos serviços prestados pelas Equipes de Motoristas no transporte público em Joinville. As Equipes de Motoristas participaram com muita vibração e comprometimento nos temas abordados. Os conteúdos das palestras tiveram o foco no desenvolvimento comportamental, com ênfase no "Desenvolvimento de Equipes Vencedoras". Agradeço o profissionalismo da TRANSTUSA - Transporte e Turismo Santo Antônio - Joinville - SC. Palestrante José Rovani - HighPluss Treinamentos Palestras VIP para Motoristas - Hands On

terça-feira, 8 de maio de 2012

Noma patrocinará prêmio Melhor Motorista de Caminhão do Brasil, promovido pela Scania

A Noma do Brasil estará presente, nesta 3ª feira, dia 8 de maio, como patrocinadora na cerimônia de lançamento da edição 2012 do prêmio MMCB – Melhor Motorista de Caminhão do Brasil, promovido pela Scania em todo o país. Trata-se de uma competição nacional, com duração de seis meses, que deverá incentivar mais de 30 mil motoristas a se empenharem para atingir níveis de excelência na profissão, em uma iniciativa de cunho educacional e social. No evento, que acontecerá no Sest-Senat, em São Paulo, serão apresentados detalhes das 12 etapas regionais distribuídas em 11 estados do país, com a final prevista para ocorrer na última semana de outubro. O motorista que tiver melhor desempenho nas diversas provas práticas e teóricas ganhará um caminhão de prêmios, cursos e uma viagem para conhecer a sede da Scania, na Suécia. Segundo Luiz Mesquita, diretor comercial da Noma, participar de eventos como este é parte da estratégia da empresa, de estar ao lado de parceiros, em competições, feiras e prêmios que são referência no mercado. “A Scania é um exemplo de uma companhia que preza por qualidade, competência, empreendedorismo e sustentabilidade, filosofias também compartilhadas pela Noma”, explica. Para o executivo esta iniciativa de cunho educativo e social, ressalta duas bandeiras importantíssimas que precisam de visibilidade para que a profissão de motorista seja ainda mais valorizada. “É necessário que esses profissionais se preparem para o desenvolvimento do país e para que consigamos, através de educação e rigor na lei, diminuir os índices trágicos de acidentes em nossas estradas”, comenta. Fonte: Assessoria de Imprensa Publicado em 08/05/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/noma-patrocinara-premio-melhor-motorista-de-caminhao-do-brasil-promovido-pela-scania/

Mais respeito ao pedestre no trânsito

O excesso de veículos e o elevado número de habitantes geram cada vez mais problemas entre pedestres, motociclistas e motoristas. Pedestres têm prioridade nas vias, sobre todos os veículos, desde que já estejam cruzando ou sobre as faixas, de acordo com o artigo 29 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), excetuando-se veículos de emergência com sirenes em funcionamento. Muitos motoristas insistem que não dá para frear. Não reduzem a velocidade antes das faixas. Não observam a circulação de pedestres na via. O motociclista ainda tenta justificar que é difícil frear ou, se tentar, vai cair. Cerceiam o direito dos frágeis transeuntes. pedestre trânsitoHá necessidade de reeducação dos motoristas e motociclistas brasileiros. E não falta dinheiro. A lei obriga recursos de multas para esta atividade (art. 320/CTB). A decisão da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de São Paulo, de reeducar e de punir, deve ser vista como fundamental para a segurança e a pacificação no trânsito. Reforça o Estado democrático. Brasília, belo exemplo de respeito às faixas de pedestres. Cidade campeã de renda per capita. Alto nível educacional. Não é raro observar discussões entre pedestres e motoristas de fora, quando pedestres são obrigados a parar. A redução de velocidade dos veículos em região servida por faixas de pedestres é ponto fundamental. Segundo o Centro de Pesquisas em transportes de Paris, um pedestre a cada dez morre, se sofrer colisão com veículo a 30 km/h. A 50 km/h, nove pedestres morrem a cada dez. O limite de 40 km/h defronte de escolas, que alguns insistem que é para facilitar a multa de radar, ainda não é suficiente para a máxima proteção. Na grande Londres de dias de vandalismo, as faixas de pedestres continuam com suas lâmpadas amarelas em cada canto das faixas a ajudar a salvar vidas, contrastando com lojas em chamas. O alto cultural é suficiente para compreender riscos. As leis são aplicadas com firmeza. Desta forma, ocorreu redução de 64% de pedestres mortos entre 1984 e 2002. Hoje, pedestre morto em Londres é raro. Em São Paulo, na virada do século XX, são 681 pedestres mortos em cada 100.000 habitantes. Na atualidade do Reino Unido, são 70 para cada 100.000. A tecnologia também auxilia na redução dos conflitos pedestres e veículos. Em Madrid, inconfundíveis sons avisam pedestres que o verde dos semáforos agora é deles. Mas estes, os pedestres, também precisam respeitar as faixas. No nosso código de trânsito há obrigação de usar a faixa, porém, sem punição. Em Paris, décadas separam os dias de hoje com o início da prática de multas a pedestres teimosos. Fonte: Por Creso de Franco Peixoto – Professor do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana), engenheiro Civil e mestre em Transportes. Publicado em 07/05/2012 no site http://www.logisticadescomplicada.com/mais-respeito-ao-pedestre-no-transito/

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Começa a valer a regulamentação da profissão de motorista no país

Lei que regula a jornada de trabalho e o tempo de direção da categoria foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira. A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quarta-feira (2) a lei que trata da regulamentação da profissão de motorista no país. Aprovado na Câmara dos Deputados no início de abril, após anos de discussões, o projeto regulamenta pontos como a jornada de trabalho, o tempo de direção e descanso dos condutores. O presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), senador Clésio Andrade, destaca que a sanção da lei é importante para valorizar a categoria. "O texto é rigoroso e visa, principalmente, a segurança no trânsito e saúde dos motoristas. Precisamos garantir aos nossos profissionais melhores condições de trabalho", disse. Entre os itens mais importantes, começa a valer a proibição do trabalho por mais de quatro horas ininterruptas sem um intervalo mínimo de 30 minutos de descanso. O trabalho poderá ser prolongado por mais uma hora até que o motorista encontre um local seguro e com infraestrutura adequada para repousar. O intervalo de uma hora para refeições é outra garantia prevista. Durante o período de um dia, será exigido um intervalo mínimo de 11 horas, que pode ser fracionado em nove horas e mais duas - o descanso semanal total deve ser de 35 horas. O motorista só poderá dar início a uma jornada com duração superior a 24 horas após o cumprimento integral do intervalo de descanso exigido pela lei. Ainda sobre a jornada de trabalho, a presidente vetou a possibilidade de redução em até duas horas do intervalo interjornada. Também está vetado o parágrafo que previa a possibilidade de acúmulo de descanso semanal, desde que não ultrapassasse 108 horas e seja coincidente, ao menos uma vez por mês, com o domingo. O motorista profissional será o responsável por controlar o tempo de direção e descanso exigidos pela lei. No caso do transporte de carga ou de passageiros, o condutor do veículo fica sujeito a penalidades como multa e retenção do veículo para regulamentação da pendência. Outro ponto importante é o veto ao prazo de 180 dias, a partir da publicação oficial da lei, para que o artigo 5º do projeto entrasse em vigor. No caso, o artigo, que trata principalmente do tempo ao volante e do descanso, começa a valer imediatamente após a publicação da Lei nesta quarta-feira, sem prazo de adaptação. De acordo com o presidente da Seção de Transporte de Cargas da CNT e da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), Flávio Benatti, a regulamentação representa um avanço. “A lei traz segurança jurídica à categoria, cria regras para o tempo de direção e descanso que passam a ser registradas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e transforma essas normas em uma obrigação de trânsito”, destaca à Agência CNT de Notícias. Segundo Benatti, um tópico importante é a criação de um novo Instituto na Legislação Trabalhista: o tempo de espera. Esse período será registrado quando o motorista ficar com o veículo parado, aguardar carga e descarga no embarcador ou no destinatário ou, ainda, estiver à espera de vistoria nas barreiras fiscais. Esse tempo de espera não será computado como hora extra. Direitos e deveres A lei garante alguns direitos à categoria. Entre eles, por exemplo, acesso gratuito a programas de formação de aperfeiçoamento profissional e acesso a proteção do Estado contra ações criminosas durante o efetivo exercício da profissão. Para cobrir riscos relacionados à atividade profissional, está garantido – custeado pelo empregador - seguro obrigatório no valor mínimo de dez vezes o piso salarial da categoria ou valor superior fixado em acordo coletivo de trabalho. Sobre os deveres, o motorista deve estar atento às condições de segurança do veículo e conduzi-lo com prudência, zelo e em obediência aos princípios de direção defensiva. Deve respeitar a legislação de trânsito e zelar pela carga transportada. Também devem se submeter a testes e programas de controle do uso de drogas e bebidas alcoólicas instituídos pelos empregadores. Fonte: Rosalvo Streit - Agência CNT de Notícias - publicado em 02/05/2012 no site http://www.cnt.org.br/Paginas/Agencia_Noticia.aspx?n=8210

O tempo profissionalizou o motorista de caminhão

Um reluzente FNM D 11.000 trucado sobe a Serra das Araras com 22.000 kg de carga. Mauro, o motorista, sabe escrever seu nome, ler quase todas as placas da estrada e fazer as contas mais simples. Mas é bastante forte e quase não sente dificuldade para manobrar o veículo, que não possui direção hidráulica. O calor dentro da cabine é insuportável e, para aliviar, Mauro segue sua viagem com a porta aberta e quase todo o corpo do lado de fora. A velocidade mal chega a 10 km/h. De bermuda, sem camisa, descalço e com uma barba de mais de sete dias, Mauro transpira em profusão. Desde pequeno acompanhou seu pai nas viagens e se tornou motorista sem, ao menos, cogitar seguir outra profissão. Como empregado, tem dificuldades em manter a sua família em função do baixo salário. Como o preço do Diesel é irrisório, Mauro nunca se preocupou em saber qual o consumo do veículo que dirige. Fevereiro de 2.012 Um Scania R440 com menos de 5.000 quilômetros sobe a Serra das Araras atrelado a uma carreta de 3 eixos, a carga é de 25.500 kg, ligeiramente inferior à capacidade do veículo. Roberto, o motorista, concluiu o ensino médio, fez uma série de cursos e participou de vários treinamentos. Com as janelas fechadas e longe do barulho, Roberto mantém a temperatura interna da cabine em agradáveis 22º C e seu uniforme está impecável. Graças ao moderno câmbio automatizado, a velocidade segue constante em 40 km/h, o computador de bordo indica que o consumo médio é de 2,65 quilômetros por litro desde o último abastecimento e o instantâneo é de 1,9 quilômetros por litro. Roberto é o único motorista em sua família e decidiu seguir a profissão depois de ter entrado em uma empresa de transportes como ajudante e ter sido encorajado pelo seu antigo chefe. Apesar da saudade, Roberto consegue manter sua família que conta, inclusive, com a proteção de um convênio médico que a empresa oferece, além da cesta básica. Roberto foi premiado nos últimos três meses por ter conseguido obter o consumo médio proposto pela empresa. A evolução do tempo Os 50 anos que separam Mauro e Roberto mudaram profundamente o mundo, e, consequentemente, a profissão de motorista de caminhão. Veículos, antes inimagináveis para os padrões brasileiros, estão à disposição dos transportadores que, por sua vez, exigem motoristas treinados e preparados para obter o máximo desempenho destes veículos. Os salários oferecidos a estes profissionais nunca foram tão altos, e continuam subindo, não só em função da falta de mão de obra, mas também pelas atuais exigências. Espera-se que o motorista seja um “Gerente de Unidade Móvel”, conheça informática, direção econômica e defensiva, entenda as necessidades da empresa e dos clientes, e ainda consiga fazer com que o negócio seja economicamente viável. Ele é a própria empresa de transporte perante o cliente e também à opinião pública. Portanto, a figura barbuda, de braços fortes e quase analfabeta está, felizmente, aposentada. O conhecimento técnico substituiu a força bruta. Fonte: Transpoonline Publicado em 03/05/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/o-tempo-profissionalizou-o-motorista-de-caminhao