Motorista Comprometido

Motorista Comprometido
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

Notícias

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Caminhoneiros protestam contra a Lei dos Motoristas

Por SETCERGS O Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC) está organizando uma manifestação nacional para 25 de julho de 2012 (Dia de São Cristóvão). O protesto exige providências imediatas do Governo Federal para a prorrogação por 365 dias da vigência da Lei 12.619, que regulamenta a profissão de motorista profissional, a extinção do cartão-frete, entre outras reivindicações. O presidente do MUBC, Nélio Botelho, esteve recentemente em Brasília reunido com o Ministro dos Transportes e com técnicos da ANTT para dar ciência àquelas autoridades da gravidade da situação em que se encontra a maioria do setor do transporte rodoviário de cargas. No manifesto enviado às associações e sindicatos, o MUBC defende que essas medidas inviabilizam o exercício da atividade para pequenos e médios transportadores. Segundo Nélio Botelho, as recentes resoluções aplicadas pela ANTT desconfiguram as leis que poderiam beneficiar o setor transportador e impedem o desenvolvimento, principalmente dos caminhoneiros autônomos e contratados, pois não garantem remunerações adequadas aos custos exigidos pelas normas. Além disso, ele afirma que muitos embarcadores estão deixando de contratar autônomos devido aos custos do novo sistema de pagamento. Botelho salienta que a carta-frete era usada por menos de 7% dos caminhoneiros no Brasil e que a norma imposta pela ANTT tem dimensões desnecessárias. "A grande culpada da atual situação do setor é a ANTT, pois faltou competência na aplicação dessas medidas. Diante dessa ameaça de paralisação dos caminhoneiros, o SETCERGS está divulgando a manifestação do MUBC, no sentido de alertar as transportadoras sobre os riscos de se transitar nas rodovias durante o desenvolvimento do movimento. A entidade que representa as empresas de Transporte e Logística entende que o movimento é justo e que o setor passa por enormes alterações, provocadas pela Lei 12.619, restrições de trânsito nas cidades, falta de pontos de paradas para descanso dos motoristas nas estradas, aumento de combustíveis, alta carga tributária, aumento do roubo de cargas e caminhões, entre outros problemas. Este somatório de dificuldades coloca o setor frente a uma situação crítica, que resulta em um movimento de protesto e paralisação. O SETCERGS adverte que durante o período desses protestos as apólices de seguros não cobrem sinistros, e que nessas situações os caminhões das empresas, por prudência, devem evitar de circular para esquivar-se de riscos. Publicado em 18/07/2012 no site http://www.setcergs.com.br/site/

Nenhum comentário:

Postar um comentário