greve ônibus
Com menos ônibus nas ruas, passageiros tiveram dificuldades de embarcar e a lotação foi maior. Foto: Blog Sidney Rezende.
Greve de motoristas e cobradores de ônibus do Rio de Janeiro tem fundo político, diz Sindicato.
Movimento foi promovido por ala dissidente insatisfeita com acordo entre entidade trabalhista, empresas e prefeitura
ADAMO BAZANI - CBN
Manhã problemática para quem depende de transportes coletivos no Rio de Janeiro.
Pelo menos 20 por cento dos motoristas e cobradores de ônibus da cidade iniciaram uma paralisação de 24 horas.
Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraturb-Rio) diz que não apoiou a greve que, segundo a entidade, tem fundo político.
A paralisação é articulada por uma ala dissidente do sindicato que não apoiou o acordo entre o Sitraturb- Rio, empresas de ônibus e prefeitura que concedeu aumento salarial de 10% e R$ 140 de cesta básica. Os profissionais parados reivindicam reajuste de 40%, auxílio alimentação de R$ 400 e o fim da dupla função , pela qual o motorista dirige e cobra ao mesmo tempo.
Com menos oferta, os ônibus que saíram das garagens ficaram superlotados e houve atrasos.
O piso salarial de motoristas BRTs é de R$ 2.349; o de motoristas de ônibus comuns é de R$ 1.957; e o de micro-ônibus, R$ 1.668.
Publicado em 08/05/2014 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus.